Professor, muito boa tarde.
Fiquei com uma dúvida que acredito ser pertinente, não só uma bobagem da minha cabeça.
Um homem com 42 anos e 230 de testosterona desenvolve músculos aparentes?
Pergunto porque foi o resultado que recebi no meu último exame. E tendo ouvido falar sobre os caras que fazem ciclo chegando a 3000 ou mais… me bateu um desespero..rsrsrs.
Grato pela atenção mestre.
Grande abraço– Marcelo.




Resposta: Prof. Eugênio Koprowski
Prof. Eugenio KoprowskiEm verdade ocorre o oposto.
Na medida que você desenvolve (ou recupera) músculos e consequentemente aprimora o seu organismo como um todo, mais testosterona você produz.
O treinamento pesado e intenso, principalmente com exercícios bi ou multi articulares como agachamento, remadas, puxadas, desenvolvimentos, etc. aliados à uma boa alimentação, repouso adequado, são fatores determinantes de maior concentração e secreção de testosterona (e demais hormônios do crescimento, como o GH), naturalmente produzido pelo seu corpo, em razão da contração muscular.

Claro, que uma “ajuda” farmacológica pode auxiliar o processo, mas nem sempre e nem em todas as situações isso acontece, além do risco. Muitos se entopem com altas doses de hormônios e não conseguem bons resultados, como constatamos todos os dia e você já deve ter verificado isso.

Após os 30 anos em média, o indivíduo sedentário começa à envelhecer perdendo massa muscular, ficando mais fraco, menos disposto e menos flexível. A saúde declina, começam as dores no corpo, perde libido, etc. Não percebe, mas lá pelos 50 já perdeu mais que 10% da massa muscular, muitos se consideram velhos, recorrendo a reposição hormonal com testosterona. Afinal, também não produzem mais hormônios suficientes. Na verdade, deveriam estar fazendo exercícios físicos, principalmente a musculação, que retarda em muitos anos o processo de envelhecimento.

Então, antes de entrar no grupo de alto risco com reposição hormonal, volte à treinar. Basta 3 a 4 sessões de 40 minutos/ semana e você já estará sentindo as melhoras a cada dia.

Abração,
Eugênio Koprowski

Manual Full Body Training