As temidas celulites femininas e sua relação com dieta e exercícios físicos.
O que são, seus diferentes graus e os tratamentos mais adequados.

 

Creio que, só de ver a palavra celulite neste artigo, a grande maioria das mulheres já fica apavorada, afinal, a celulite representa a segunda maior preocupação feminina, perdendo somente para a gordura localizada. Sabemos que a celulite acomete grande número de mulheres de diversas faixas etárias e está relacionada a diversos fatores, desde genéticos, metabólicos, hormonais até alimentares, medicamentosos etc.

Outro fator que também está diretamente ligado ao metabolismo das celulites é o surgimento de estrias e que são bastante comuns também nas mulheres.

 

Mas, afinal, o que são celulites e estrias???

As celulites são manifestações na pele, que se apresentam como ondulações, causando a aparência semelhante a furos que podem se localizar na região dos glúteos, coxas, abdômen, braços, região das mamas e até mesmo lombar.

Celulites no braço

Fisiologicamente falando, as celulites são geradas no organismo por um processo inflamatório originado do tecido gorduroso, que causa um deslocamento de células sanguíneas, tornando o sangue mais viscoso e a circulação deficiente, passando a comprimir células nervosas e o tecido subcutâneo. Com isso, o organismo passa a produzir colágeno na tentativa de conter essa inflamação, já que o tecido cutâneo está sendo atingido, porém, o mesmo passa a ser secretado em excesso, o que somado à viscosidade e à falta de circulação sanguínea adequada acaba gerando nodulações que, consequentemente, se manifestarão clinicamente como ondulações ou buracos na pele.

Já as estrias se manifestam clinicamente como riscos brancos ou avermelhados na pele, semelhantes a cicatrizes.

Estrias

Abordando a questão fisiológica das estrias no organismo, podemos dizer que ocorre uma ruptura das camadas de colágeno subcutâneas, causadas na maioria das vezes por crescimento corporal repentino, gravidez ou quando o indivíduo engorda ou emagrece rapidamente diversas vezes, o que chamamos de efeito sanfona. Com essa mudança corporal repentina, a derme não consegue se moldar de forma imediata a elas, sofrendo estiramento e ruptura de suas fibras, se mostrando no corpo como cicatrizes em forma de riscos.

Podemos dizer que tanto as celulites como as estrias são consideradas dermatoses e também podem acometer homens, porém, é bem mais comum e disseminada no sexo feminino.

Essas dermatoses têm um fator genético como principal agente desencadeante, porém, como qualquer tendência genética, para seu desenvolvimento é preciso somar outros agentes. Esses outros agentes desencadeantes estão relacionados às condições de cada indivíduo, como uso do tabaco, alimentação desequilibrada, sedentarismo, uso de medicamentos hormonais (principalmente anticoncepcionais), estresse, gravidez, menopausa etc.




Mediante esses fatores, podemos dizer que a técnica alimentar adequada visando à prevenção e combate às celulites pode ser indicada, uma vez que a celulite provém de um processo inflamatório dos estoques de gorduras corporais.

Nesse caso, a dieta alimentar não só previne a mulher do surgimento da celulite, como também previne o aparecimento de estrias corporais, já que elas se originam da ruptura das fibras de colágeno provenientes do ganho de peso repentino e emagrecimento rápido frequente (efeito sanfona).

Importante ressaltar que a aparência da celulite pode piorar se ela não for tratada logo no início, tornando mais difícil combatê-la. A evolução da celulite passa por quatro estágios:

 

 

Estágios da Celulite

Estágios da Celulite

Grau 1: LEVE

– A celulite é interna, não é vista nem sentida e só aparece caso a pele seja apertada com força. É nesse grau que os vasos estão suscetíveis à ação inflamatória e as toxinas começam a se acumular.

Grau 2: VISÍVEL

– Nesse estágio não é preciso mais comprimir a pele para notar as marcas. Seu aspecto é acolchoado, porque o sistema linfático está mais comprometido. Ao apertar a pele, ela fica amarelada por conta do acúmulo de líquidos.

Grau 3: INTENSA

– A superfície da pele passa a ter aspecto de gomos visíveis; os nódulos começam a aparecer e ser sentidos com o toque. Como a pele já está mal nutrida, pode haver desidratação dos tecidos. A textura torna-se áspera, os poros ficam dilatados e surgem microvarizes. É a partir desse estágio que começam os primeiros sinais de dor e o inchaço fica bem evidente.

Grau 4: GRAVE

– A celulite se torna visível até mesmo através das roupas. As fibras que constituem a musculatura formam espécies de nós e as células de gordura agrupam-se de tal forma que formam nódulos maiores, prejudicando a circulação. Os nervos podem ser comprimidos, o que faz a região ficar endurecida e dolorida. Com a circulação comprometida, fica difícil eliminar as toxinas, o que agrava ainda mais a celulite.

 

Tipos de Estrias

Já com relação às estrias, podemos dizer que existem apenas dois tipos que acometem as mulheres, sendo elas: as rubras (avermelhadas) e as albas (esbranquiçadas).

Estrias vermelhas

Estrias avermelhadas

 

Estrias Brancas

Estrias esbranquiçadas

As rubras são as mais novas e têm essa coloração porque ainda existe um conjunto de vasos sanguíneos (vascularização) adequado na área, sendo assim, se forem tratadas rapidamente, podem desaparecer, já que existem nutrientes suficientes para a completa regeneração da fibra.

Caso não sejam tratadas, poderão evoluir para o tipo albas, que são mais profundas, não sendo vascularizadas e têm aparência de pele envelhecida. Nesses casos, só é possível recuperar aproximadamente 70% da pele atingida.

 

Mitos sobre celulite

Podemos mencionar alguns mitos ligados ao surgimento das celulites como, por exemplo, o consumo de bebidas gaseificadas como os refrigerantes e também o uso de roupas justas.

No que diz respeito aos refrigerantes, podemos dizer que não há fundamento científico que comprove sua relação com a formação da celulite, porém, a quantidade de açúcar contido nos refrigerantes pode contribuir para o aparecimento das celulites, não sendo o gás contido nas bebidas o grande vilão e sim o excesso calórico.

Celulite e roupas apertadas

Já o uso de roupas justas não causa a celulite, mas podem agravar o problema, já que dificultam ainda mais a circulação sanguínea comprometida quando já se tem a celulite instalada.

Outro mito comum que caiu nos ouvidos das mulheres sobre as estrias é que o bronzeamento ajuda a esconder essa dermatose e desse modo contribui para disfarçá-las. Isso é um mito, pois o sol não contribui para diminuir nem disfarçar estrias, muito ao contrário, o bronzeamento ajuda até a destacar alguns tipos de estrias, principalmente as esbranquiçadas ou albas.

 

Tratamento das Celulites com Dieta e Exercícios

Existem diversos tipos de tratamentos para as celulites e estrias que vão desde métodos não invasivos como drenagem linfática, até mais invasivos como carboxiterapia, dermoabrasão, aplicação de ácidos subcutâneos e laser. Existem também formas de se prevenir e combater as celulites com técnicas não invasivas, como dieta alimentar e exercícios físicos adequados, que podem ser associados ou não às demais técnicas descritas acima para combater as celulites e estrias, dependendo do grau em que se encontram.

Celulites e Exercícios Físicos

Os exercícios físicos praticados de forma frequente representam um importante estímulo no combate às celulites, uma vez que atuam produzindo diversas reações benéficas ao metabolismo, diminuindo o acúmulo de gorduras, regulando a pressão arterial, diminuindo o risco para doenças crônico-degenerativas como o diabetes etc.

Tanto os exercícios aeróbicos como os de musculação são benéficos no combate às celulites e estrias, porém, o treinamento resistido de musculação possui um efeito mais intenso sofre as celulites, uma vez que age alterando a composição corporal de uma forma mais precoce, tonificando os músculos e substituindo o tecido gorduroso por tecido muscular, ou seja, aumentando a massa magra corporal.

Com isso, podemos dizer que as chances de surgimento de celulites ou estrias diminuem, pois o metabolismo passará a ser mais anabólico, criando maiores condições de desenvolvimento muscular, passando a diminuir o acúmulo de gordura corporal e toxinas inflamatórias, as principais formadoras das celulites.

Celulites e Exercícios Físicos - Dieta

Por outro lado, uma dieta adequada, rica em nutrientes benéficos, com baixo teor de açúcares refinados, gorduras e sódio acarreta uma diminuição acentuada das chances de desenvolvimento de celulites. Nesse caso, o preconizado seria o acompanhamento profissional, com o consumo de porções alimentares de nutrientes como proteínas, carboidratos e vitaminas de forma dosada, com intervalos de três em três horas e um baixo consumo de gorduras.

Sendo assim, podemos dizer que a melhor forma de potencializar os resultados é a associação da dieta com os exercícios físicos resistidos de musculação. Lembrando que os exercícios resistidos de musculação ainda podem ser alternados com os exercícios aeróbios (corrida, caminhada, step, bicicleta ergométrica, spinning e hidroginástica) para que possam ser trabalhadas partes diferentes do corpo, aumentando a oxigenação e queima de gordura.

Celulites e Exercícios Físicos - Aeróbico

Os exercícios preconizados para membros inferiores atuam estimulando o aumento da massa muscular local, melhorando a circulação sanguínea, diminuindo a incidência de gordura corporal e consequentemente atuando no combate às celulites e estrias.

Todavia, para a obtenção de resultados eficientes é recomendado o acompanhamento por profissionais capacitados, pois muitas vezes o tratamento é feito de forma multidisciplinar, envolvendo a atuação de dermatologistas, cirurgiões, nutrólogos, nutricionistas, fisiologistas, fisioterapeutas e personal trainners.


Referências:
HALL, J. E. (2011) Guyton & Hall: Tratado de Fisiologia Médica, 12ª ed. Rio de Janeiro: Elsevier. ISBN: 978-85-352-3735-1
AIRES, M. M. (2012) Fisiologia, 4ª ed. Rio de Janeiro: Ed. Guanabara Koogan/GEN. ISBN: 9788527721004
GANONG, W. F. (2006) Fisiologia Médica. 22ª ed. Porto Alegre: Artmed Editora/Grupo A. ISBN: 857307387x
ARQUIVOS BRASILEIROS DE ENDOCRINOLOGIA E METABOLOGIA. Vol. 38, Número 3, setembro 1994.
LEHNINGER, A.L.; NELSON, D.L.; COX, M.M. Princípios de Bioquímica. 2ª ed. São Paulo: Sarvier, 2000.
JUNQUEIRA, L. C.; CARNEIRO, J. Biologia celular e molecular. 5ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1991.
FALABELLA R. MILIUM. En Fundamentos de Medicina: Dermatología N. 5ª ed. Corporación para Investigaciones Biológicas, Medellín, 1997: 311-13.

 

Cirurgião e Traumatologista Facial. Especialista em Fisiologia Humana e Fisiologia Esportiva com foco na Metabologia. Especialista em Nutrição Esportiva. Assessor para criação de fórmulas para empresa de suplementos. Contato: [email protected] / Facebook: Dr. Edson Rosa.