O estudo da Fisiologia Endócrina nos revela um complexo mundo bioquímico, aonde os mensageiros químicos ditos hormônios, desempenham um papel fundamental no equilíbrio do metabólico do organismo.

Os hormônios tireoidianos são responsáveis diretos por diversas funções no metabolismo humano, tendo uma íntima relação com o desempenho físico nos esportes, pois a maior parte das estruturas corporais e tecidos, têm receptores para os hormônios tireoidianos e, desta forma, a tireóide é uma glândula capaz de interferir no metabolismo das células de quase todos os órgãos.




Anatomicamente, a tireóide é uma glândula em forma de borboleta (com dois lobos), que fica localizada no segmento anterior do pescoço, logo abaixo da região das cordas vocais, sendo uma das maiores glândulas do corpo humano, pesando aproximadamente de 15 a 25 gramas (no adulto). Possuem em seu interior, diversas estruturas, sendo as principais secretoras de hormônios, os folículos tireoidianos, que produzem os hormônios T3 e T4.

O folículo tireoidiano é constituído pelas células principais ou foliculares e pela célula C ou parafoliculares, decretando também a tireoglobulina, que é uma glicoproteína produzida para armazenar T3 e T4 dentro do folículo. Já a célula C, secreta calcitonina, que não é hormônio tireoidiano, embora seja produzida pela tireóide.

Hormônios da Tireóide e Metabolismo Humano - T3 e T4

 

Mergulhando rapidamente na bioquímica endócrina, o mecanismo de produção hormonal de T3 e T4, se dá pelas células foliculares, onde capta iodeto e então, dentro da célula, ele sofre a ação da enzima peroxidase e transforma-se em iodo (Íon). A partir de então, se associa a tirosina (que tem forma de anel benzênico) e forma a 3–monoiodotirosina (MIT). Quando mais uma molécula de iodo se liga, agora no carbono 5, temos a 3,5-diiodotirosina (DIT).

MIT e DIT interagem e formam os hormônios tireoidianos da seguinte forma:

• MIT + DIT → T3 (triiodotirosina)
• DIT  + DIT →  T4 (tetraiodotironina)

T3 e T4 são armazenados no folículo sob a forma de tireoglobulina.
No sangue, T3 e T4 são transportados por TBG (globulina que se liga à tiroxina) e por TBPA (pré-albumina que se liga à tiroxina). O transportador se liga prefencialmente à T4 e o T3 circula, principalmente, livre.
A facilidade maior de ligação com receptor ocorre com T3 pois ele está livre no plasma. T4 deve antes, se desligar do transportador e depois ligar-se ao receptor (tal processo é mais difícil).

Aqui a necessidade de uso de T3 para complementar a ação do T4 em casos de disfunções da tireoide, como por exemplo, nos casos clínicos de pacientes portadores de hipertireoidismo.

A conversão periférica de T4 em T3 ocorre principalmente nos rins por ação da enzima 5’ monodesiodase, mas também pode ocorrer no fígado, através 3’ monodesiodase, formando T3 reverso cuja função biológica é desconhecida.

A regulação da secreção hormonal se faz por feedback negativo de alça longa por T3 e T4 sobre a adenohipófise e o hipotálamo. Quando a concentração destes hormônios está elevada, inibe-se a produção de TRH pelo hipotálamo e de TSH pela adenohipófise, levando a célula folicular da tireóide a reduzir tanto a captação de iodo como a liberação de vesículas de tireoglobulina. Com isso ocorre uma diminuição da produção de secreção de T3 e de T4.

Hormônios da Tireóide e Metabolismo Humano - alimentos

Se o paciente não ingere alimentos ricos em iodo, pode ocorrer do TSH aumentar a captação de iodo, porém não há formação de T3 e T4 suficiente, não havendo feed-back negativo, provocando assim, permanente estímulo da glândula, o que nos mostra clinicamente em exames sanguíneos, elevadas quantidades de TSH, podendo levar a situação de bócio  endêmico, que é hipertrofia da glândula tireóide.

Outro mecanismo que estimula a secreção do hormônio, agora através do estímulo da secreção de TRH pelo hipotálamo, é a noradrenalina e colesterolemia, por isso sempre devemos ficar atentos a produção em excesso de colesterol.

Em relação ao merabolismo esportivo, diversos são os íntimos mecanismos de ação dos hormônios da tireoide (T3 e T4), dentre eles:

  • ➡ Aumento do consumo de oxigênio  (EPOC), portanto, aumento da taxa metabólica, elevando a beta oxidação mitocondrial (queima de gordura), por estímulo à via sinalizadora celular AMPK.
  • ➡ Aumento da excreção de colesterol, causando a diminuição da colesterolemia, ou seja, diminuindo os níveis sanguíneos de colesterol.
  • ➡ Aumento da absorção de glicose com potencialização da ação da insulina, efeito anabólico por provável estímulo às vias sinalizadoras AKT- MTOR.
  • ➡ Aumento da força de contração do coração e da freqüência cardíaca (inotropismo e cronotropismo positivos), gerando aumento do volume sistólico, e aumento do peristaltismo.
  • ➡ Estímulo da lipólise e da secreção de GH, dentre outros.

É importante lembrar que o uso dos hormônios T3 e T4 para fins esportivos, deve ser criteriosamente avaliado por um profissional especialista com experiência na área, pois um eventual mau uso dos mesmos, poderá acarretar em inibição do eixo neuro-hormonal hipotalâmico-hipofisário-tireoidiano (HHT), podendo levar a um desequilíbrio e conseqüente deficiência hormonal da glândula tireóide de forma permanente.

Cirurgião e Traumatologista Facial. Especialista em Fisiologia Humana e Fisiologia Esportiva com foco na Metabologia. Especialista em Nutrição Esportiva. Assessor para criação de fórmulas para empresa de suplementos. Contato: [email protected] / Facebook: Dr. Edson Rosa.