Este é um de uma série de artigos sobre treinamento de força e exercício em geral para pessoas que lidam com obesidade. Ao “lidar com”, não quero dizer tratá-lo ou tentar não ser obeso. Quero dizer, viver uma vida feliz, saber quais são suas escolhas e lidar com equívocos, expectativas e preconceitos. Não há absolutamente nenhum julgamento sobre a escolha da pessoa obesa. Muito pelo contrário, o que eu tento oferecer aqui é a informação para os treinadores e para as pessoas obesas sobre como se exercitar considerando algumas das dificuldades inerentes à condição.

 

O CORPO E ESPAÇO

Corpos vêm em todos os tamanhos e formas. Várias formas e tamanhos se movem de maneira diferente no espaço. Considere as especificidades do treinamento para pessoas extremamente altas, para pessoas paraplégicas e para pessoas com escoliose grave. Todas essas pessoas podem levar uma vida saudável e ativa, mas suas relações com o espaço diferem umas das outras e das do indivíduo mais próximas do “tipo médio”. O mesmo vale para as pessoas obesas.

Para começar, muitas máquinas de movimentação guiada de exercícios não foram projetadas considerando adaptações para pessoas maiores (assim como muitas máquinas não podem ser usadas por pessoas muito curtas). Certos movimentos são mais difíceis ou mesmo impossíveis devido a impedimentos mecânicos, como abdominais ou flexões de ombros, por exemplo. Outros podem ser feitos, mas o bom senso e o conselho médico sugerem que não deveriam, como correr.

Além disso, “obeso” pode significar muitas coisas diferentes e, independentemente das tentativas de enquadrá-lo com a faixa do índice de massa corporal (IMC), ainda assim, a agilidade, a força e o equilíbrio serão diferentes de um indivíduo para outro.

Para abrir esta conversa em um tom positivo, vamos assistir a uma dançarina que não tem problemas em ser vista e conhecida como grande ou obesa:

Whitney Thore é uma ativista de aceitação do corpo. Ao publicar sua dança, não estou incentivando você a se envolver ou não em qualquer movimento de identidade. O que eu quero que você observe é que é possível se mover e se exercitar enquanto está sendo obeso.

Definindo obesidade

A definição oficial de obesidade segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS)  é: “Sobrepeso e obesidade são definidos como acúmulo anormal ou excessivo de gordura que possa apresentar risco à saúde. Uma medida populacional bruta da obesidade é o índice de massa corporal (IMC), o peso de uma pessoa (em quilogramas) dividido pelo quadrado da sua altura (em metros). Uma pessoa com um IMC de 30 ou mais é geralmente considerada obesa. Uma pessoa com IMC igual ou maior que 25 é considerada com sobrepeso. ”

É importante entender que o seu IMC não fornece um diagnóstico: é um indicador epidemiológico útil para instituições como a OMS para monitorar a distribuição da fome (definida como a frequência de adultos com IMCs de 18 ou menos) e sobrepeso, tendências ao longo do tempo e sua distribuição regional. Ele também é usado para estudar a associação entre obesidade e certas condições de saúde, como diabetes e doenças cardiovasculares. Tecnicamente, isso nos diz que a obesidade é um “fator de risco” para hipertensão, hipercolesterolemia e resistência à insulina.

Uma abordagem mais prática para o indivíduo é uma avaliação pessoal de quanto, se houver, o tecido adiposo dele está criando problemas para as atividades da vida diária. A detecção real de condições de saúde, como as mencionadas acima, é relevante.

Embora a decisão sobre o que fazer ou não fazer a respeito da perda de peso seja inteiramente sua, algumas coisas devem ser ditas:



  • A forte relação entre pobreza, nível educacional e obesidade sugere que algumas pessoas não são obesas por opção, mas devido à falta de serviços de saúde adequados.
  • A obesidade está em ascensão, especialmente nos EUA. Também está aumentando nos estados com os níveis educacionais mais baixos e mais pobreza.
  • Existe uma relação inversa entre o custo da comida e a densidade calórica. Isso significa que o alimento mais barato é o mais calórico e menos nutritivo (Drewnowski 2004).
  • Alguns profissionais de saúde realizam estudos sobre estratégias para obter uma nutrição saudável em um orçamento, mas esse conhecimento nem sempre está disponível. Sou voluntária em uma dessas organizações, a Latino Development Agency.
  • A obesidade também está associada ao sedentarismo, que, entre outros fatores, está associado à disponibilidade de instalações de treinamento. Algumas pessoas podem obter associação gratuita através de programas sociais, como a Latino Development Agency ou Lift for the 22. . Há também academias e clubes de saúde que oferecem alternativas de associação muito baratas, como a Planet Fitness .
  • Infelizmente, como a obesidade também tem uma correlação com o nível educacional e isso é um forte determinante das habilidades de recuperação de informações, as pessoas que mais precisam desses recursos podem ser as que não conseguem obtê-las.

Como o excesso de peso e a obesidade são fatores de risco estatístico para importantes problemas de saúde, o foco da maioria dos médicos com obesos que chegam a seus consultórios com alguma queixa de saúde acaba sendo a dieta e o exercício para perda de peso. Isso pode ser frustrante e até mesmo humilhante, pois existe viés entre os profissionais de saúde (Teachman 2001, Schwartz 2003, Puhl 2010). No entanto, aqui estão algumas razões importantes pelas quais você deve enfrentar o viés e o exercício.

O corpo obeso: especificidades para o exercício

O corpo obeso cria demandas diferentes nos sistemas de consciência proprioceptiva e cinestésica. Propriocepção é como você percebe seu corpo e o espaço baseado em estímulos vindos de dentro do corpo. Enquanto isso, consciência cinestésica é como você percebe seu corpo em relação ao ambiente através de mecanismos externos de processamento de informações.

Em outras palavras, temos um problema de equilíbrio. O corpo obeso requer mais deslocamento para alcançar o mesmo equilíbrio que o corpo não-obeso (Greve et al. 2007, Berrigan et al. 2006, Hue 2007, Ku 2012). Isso inclui movimentos sentados. Quanto maior o nível de obesidade e sedentarismo, mais esse efeito será manifestado.

Outra especificidade a ter em consideração relativamente ao movimento para o corpo obeso é a carga sobre as articulações que suportam peso, assim como para as que não suportam peso. Existe uma alta correlação entre obesidade e osteoartrite. Estudos sugeriram que o estresse mecânico é o principal fator que determina esse efeito (Vandenbroucke, 1988; Hartz, 1986).

 

Alternativas – Melhores Exercícios para Obesos

Considerando tudo isso, as melhores alternativas incluem:

 

Treinamento de força

O exercício mais seguro e eficaz para pessoas obesas (e diabéticas!) É o treinamento com pesos: não há impacto nas articulações, a hipertrofia muscular fornece o maior reservatório para descarte de glicose e pode ser divertida (Wiley e Singh 2003). Faça qualquer coisa que você queira ou que seu coach esteja criando e tenha conhecimento suficiente para oferecer. Os levantamentos básicos de barra são muito bons: são (relativamente) lentos, representam um desafio divertido e não causam muito mais danos mecânicos às suas articulações do que o que você experimenta apenas executando tarefas diárias.

A exceção é se você se tornar um invasor extremamente forte como uma pessoa extremamente obesa. Infelizmente, eu vi isso: não é bom (adicione o peso da barra ao peso corporal e o resultado é dano à articulação do joelho). Há algo em esportes de força chamado de “Super Heavy Weight” (SHW). Eles são atletas muito pesados. Eles geralmente carregam muita gordura corporal, mas uma enorme quantidade de músculo.

Agachar, se não tão pesado, é uma boa alternativa:

E, é claro, nunca devemos esquecer que levantar-se de uma posição sentada pode ter sido impossível em algum momento e é o agachamento do “registro pessoal” para uma pessoa obesa que está se recuperando de várias morbidades:

Aqui estão duas senhoras obesas auto-identificadas compartilhando seus treinos. O primeiro é um treino de força com equipamento regular. O segundo é um treino em casa:

Exercícios na água

Exercitar-se em uma piscina diminui a carga sobre as articulações. É especialmente interessante para o exercício cardiovascular.

ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE: Eu não tolero o discurso ou as expressões de julgamento, como “indulgência”. Eu recomendo que você observe com o som desligado.

Agora, ligue o som: esta é considerada a versão mais bonita de “Somewhere over the Rainbow”, de Israel Kaʻano’i Kamakawiwoʻole , “um cantor, compositor, músico havaiano nativo e ativista da soberania havaiana”. Ele morreu de complicações da obesidade extrema e parece ter usado a piscina para aliviar seus sintomas.

Treinamento de Equilíbrio

A necessidade disso está relacionada aos problemas de equilíbrio que introduzi no item anterior. Clark (2004) publicou diretrizes detalhadas e protocolos que devem ser suficientes neste momento.

 

Dançando

Nunca vamos esquecer que a adesão é provavelmente a maior área de preocupação para o profissional de saúde contratado por uma pessoa obesa para orientação, ou para a pessoa obesa que decidiu adotar um estilo de vida mais ativo. Um programa de exercícios chato e desagradável é inútil para você: com o tempo, produzirá efeitos mentais negativos, o que bate o propósito de fazê-lo.

A dança se torna uma alternativa atraente: “As pessoas naturalmente dançam com a música, e a pesquisa mostrou que os estímulos auditivos rítmicos facilitam a produção de movimentos corporais precisamente cronometrados”, afirma Iordanescu e colaboradores (2013). Essa é uma opção que muitas pessoas obesas – homens e mulheres – estão usando para se manterem ativas e felizes.pedimento.

Andando

Andar a passo lento é a forma mais comum de atividade física no lazer. Para adultos não obesos, caminhar neste ritmo não fornece benefícios de condicionamento cardiovascular (embora obviamente forneça muitos outros relacionados à saúde mental, como liberação de estresse, meditação, etc.). Para adultos obesos, inclui benefícios de condicionamento cardiovascular (Hills et al. 2016). É um ganha-ganha!

Eu recomendo que você evite exercícios que causem impacto nas articulações, como jogging. Se você gostar do efeito meditativo de uma boa sessão de corrida, tente caminhar rapidamente se não houver outro impedimento.

Seja livre…

Se você é uma pessoa obesa, é importante que você entenda que o mantra convencional que diz que você deve se exercitar para perder peso é, primeiro, matizado e, segundo, não é o benefício mais importante que a atividade física pode proporcionar para você.

Se você é um coach e ainda segue esse mantra, espero ter oferecido algumas leituras interessantes que podem fornecer ferramentas para ajudar seus clientes.

Dê as costas a esses mantras: eles geralmente estão parcialmente errados. A vida é curta: busque a felicidade. Deixe a saúde ser feita de felicidade. Deixe o movimento e a força serem uma ferramenta para isso.

Seu corpo, suas escolhas, suas regras.

 

 

Leia a parte 2 desse artigo aqui

Artigo original, fonte: https://www.elitefts.com/education/the-obese-body-and-exercise/
No artigo original se encontram os devidos gráficos e referências bibliográficas

Nota do editor

O presente artigo foi traduzido e adaptado pela Equipe da M&F.
Residindo nos EUA, a autora se refere em boa parte à população norte americana, mas a obesidade crescente é um fenômeno mundial, mesmo em países mais pobres, apesar de regiões do planeta onde ainda persistem a miséria e a fome.
Agradecemos a Dra. Marília por compartilhar conosco esse incrível artigo, para que possa chegar no máximo de pessoas e comunidades possível.

Pesquisadora, Conferencista, Professora e Consultora Técnica brasileira na área de Treinamento e Esportes de Força. Graduada em Ciências Biológicas pela Universidade de São Paulo, mestrado em Ecologia Química, Doutorado em Sociologia da Ciência e Pós-doutorado pela Virginia Polytechnic Institute and State University. Atleta de alto rendimento em Levantamento Básico, campeã mundial, Presidente da Aliança Nacional da Força e representante nacional do World Powerlifting Congress. www.mariliacoutinho.com