Nos dias atuais há várias coisas que ainda persistem em nosso meio, independente do que façamos para tentar sumir com elas de uma vez por todas. E isso não ocorre apenas em nosso meio, várias coisas na vida retornam, quer ver?

– Star Wars
– Liga da Justiça
– Alien/Prometheus
– X-Men

Esses são apenas alguns retornos e é claro que não podemos deixar de fora o Rambo (sim, vai ganhar reboot sem o ator Sylvester Stallone), o Rocky e a herpes labial!

Para nós, famigerados e humildes brazilian bodybuilders, há um retorno que nos causa imenso interesse e que faz surgir novamente uma avalanche de perguntas dos mais variados tipos. O retorno da tão criticada, surrada, comentada e extensamente estudada molécula C4H9N3O2, ou simplesmente CREATINA.

Basta voltar a aparecer na mídia para que caixas de e‑mails de treinadores, nutricionistas, médicos do esporte, endócrinos e até mesmo de manicures (sim, acredite, existem algumas que sabem tudo sobre creatina!) lotassem com perguntas que outrora se pensava que estavam enterradas, mas elas voltaram e com mais força do que nunca.

Junto a tais perguntas retornam famigerados artigos publicados por pessoas que muitas vezes não são da área esportiva, mas que ocupam certo lugar de importância seja na mídia ou meio acadêmico. São essas pessoas que escrevem ou que aparecem na mídia que formam opiniões muitas vezes desencontradas, confusas e até certo ponto sem fundamento para serem creditadas.

Dou crédito aos pesquisadores brasileiros que sofrem diariamente com falta de verbas por parte do governo para incentivo à pesquisa. Verdadeiros guerreiros que conseguem realizar feitos muitas vezes extraordinários quando comparados com o que se tem em países de primeiro mundo.

 

1.001 QUESTÕES… 5 RESPOSTAS

O que me motivou a escrever este artigo foi um e‑mail recebido pelo prof. Eugênio e repassado a outras pessoas onde eu me incluía. Respondi o email e decidimos escrever sobre.

As respostas que foram dadas estão aqui adicionadas de outras, completando um total de cinco que considero essenciais para quem deseja saber mais sobre esta tão comentada molécula. Vamos a elas!

 

  1. CREATINA CONTÉM ESTEROIDES ANABÓLICOS EM SUA FORMULAÇÃO?

Não apenas para a creatina como para qualquer suplemento, seja nacional ou importado, é necessário o cuidado de comprar sempre produtos de qualidade. Se você é um ciclista de mountain bike não vai querer descer uma montanha em uma “Monareta”, não desmerecendo esta antiga bicicleta, mas não é a ideal para tal feito. É preciso investir, e em se tratando de suplementos você deverá ter em mente que não é nada barato, pois esse é um caso onde o barato custará caro e o resultado aparecerá em seu shape, ou não! Existem “n” farmácias de manipulação que “manipulam” creatina – o que na verdade é uma grande mentira, pois eles têm apenas o trabalho de comprar o produto de um fornecedor e embrulha‑lo com a embalagem da farmácia. Caso você registre um CNPJ com atividade de farmácia poderá comprar o composto direto de laboratórios dos EUA, Inglaterra, Alemanha e China, que são os maiores fornecedores mundiais de creatina.

Um grande problema ocorre com a maioria das creatinas. Empresas com o propósito único de lucro compram da China, que não fornece matéria‑prima de boa qualidade, pois as creatinas chinesas contêm certos adicionais – a DICIANDIAMIDA e a DIHIDROTRIAZINA, que podem ser tóxicas ao organismo. Ao comprar creatina deve‑se ler se no rótulo há um logo escrito CREAPURE, que atesta ser a creatina oriunda de uma empresa que existe desde 1908 chamada SKW TROSTBERG AU, situada em Munique, na Alemanha. Eles fornecem CREATINA 100% PURA, totalmente livre de impurezas. E aquela creatina que você comprava quando era livre o comércio no Brasil que dizia no rótulo 100% Pura? Para tais contaminantes há certos níveis de tolerância, mas as creatinas chinesas são mais baratas e o lucro é maior. A empresa que pensa no lucro comprará de onde sua creatina? China ou Alemanha?

Sobre a creatina – ou qualquer outro suplemento – conter esteróides anabólicos em sua formulação, o INSTITUTO ADOLFO LUTZ em 2009 atestou que um entre cada quatro suplementos comercializados no Brasil para atletas camuflam a presença de esteróides anabolizantes. Seria interessante obter do instituto o nome das empresas fraudadoras de tais suplementos e não mais comprar os produtos por elas oferecidos, pois sofremos diariamente em obter o nosso tão sagrado whey de cada dia e ainda por cima corremos o risco de este estar “contaminado”! Para esclarecimento geral, creatina não é anabolizante, trata‑se de um composto de 3 aminoácidos – GLICINA, METIONINA E ARGININA.

 

Creatina (C4H9N3O2) - A Molécula Condenada

  1. CREATINA PODE CAUSAR DANOS RENAIS E HEPÁTICOS?

O vice‑presidente da NABBA‑RS, certa vez entrou em minha sala com um jornal local e adivinhe sobre o que é uma das principais reportagens de página inteira do jornal?

“BOMBAS SEM RECEITA!
ANVISA diz que creatina e cafeína são só para atletas… Abuso pode afetar os rins.”

E, então, essa fórmula mágica afeta “los riñones” ou não? Há vários estudos publicados sobre o assunto e um curioso (Koshy et al., 1999), entre muitos, cita um homem de 25 anos de idade aparentemente saudável com nefrite intersticial aguda e injúria tubular focal tendo como causa a suplementação com creatina. O sujeito apresentou concentrações séricas de creatinina (2,3 mg/dl) e pressão sangüínea 160/100. Três perguntas sobre o estudo:

  1. O sujeito era fisiculturista ou possuía grande massa muscular? Em caso positivo, sabe‑se que 2,0 mg/dl é considerado normal para um atleta de fisiculturismo e que medicamentos como hidantoína, cimetidina, cefalosporinas e até mesmo vitamina C podem aumentar as taxas de creatinina. Estava o sujeito usando no momento do estudo algum destes fármacos?
  2. A creatina utilizada pelo sujeito estudado era de boa procedência?
  3. A forma de uso de creatina seguiu padrões conhecidos ou o sujeito a usou conforme sua “experiência”?

Outro estudo (Revai et al, 2003) relata um usuário de metandienona, ou melhor dizendo Dianabol Tailândes, aqueles comprimidinhos rosinhas em potes de 1.000 unidades que você bem já viu por aí! Junto ao ciclo deste indivíduo estava a utilização de creatina na dose/dia de 200g!

O mesmo apresentava glomerulonefrite membranoproliferativa difusa tipo I. Os autores parecem que não deram bola no estudo para os “rosinhas” e culparam diretamente quem?

Concordo que uma dose de 200g/dia de creatina é algo absurdo, mas a culpa não pode recair apenas nela nesse incrível caso que poderia bem constar dos anais da psiquiatria moderna!

Sobre tais estudos seria interessante se fossem mais completos. Há estudos onde o número de participantes é demasiado pequeno e na maioria das vezes não é feito com público atleta e muito menos com público de esportes de força.

A creatina, assim como qualquer aminoácido ou qualquer aumento na ingesta proteica na dieta, pode causar danos tanto renais como hepáticos CASO O INDIVÍDUO NÃO SE HIDRATAR ADEQUADAMENTE.

A creatina é uma molécula hidrofílica, precisa de água. Quem metaboliza tudo em nosso organismo? FÍGADO… Quem nos livra do lixo excedente? RINS! Se os responsáveis pela metabolização/excreção são órgãos vitais que necessitam de água e, no caso destes órgãos estarem necessitando de água, terão de drenar água de outros compartimentos para seu auto‑suprimento. De onde você acha que é o lugar mais fácil de retirar água para tal feito? De seus miócitos – suas células musculares abundantes neste elemento vital são desidratadas, levando‑o a sofrer problemas que podem ir desde câimbras até mesmo elevação nas taxas de filtração.

Para que danos hepáticos ou renais não venham a ocorrer e para que a sua suplementação com creatina funcione basta beber água!

 

Creatina (C4H9N3O2) - A Molécula Condenada - para vegetariados

  1. VEGETARIANOS PODEM SE BENEFICIAR COM A SUPLEMENTAÇÃO DE CREATINA?

A creatina é naturalmente sintetizada em nosso organismo, somos seres biológicos em constante renovação. Podemos, através de complicados processos bioquímicos, transformar uma substância ou mais em uma que nosso corpo necessite em determinado momento.

Lembra do Ciclo de Krebs? Um exemplo clássico onde isso ocorre. Nesse caso, vegetarianos podem sintetizar creatina endógena a partir de aminoácidos oriundos de proteínas incompletas da dieta, ou seja, é possível, segundo os estudiosos do vegetarianismo, transformar proteína incompleta em completa – acredito em Papai Noel e Lobisomens! Ironizo pelo fato de que tudo o que li a respeito de proteínas e aminoácidos chega a um ponto final onde para que tal processo ocorra é necessário um estado pleno de magnífica saúde.

Quem nos dias de hoje é livre de uma vida agitada, stress e outros males modernos? Talvez os vegans! Ser vegetariano, em minha opinião, não é apenas não comer carnes e sim fazer parte de uma filosofia de vida que deve seguir certas regras e, se o pilar da filosofia é não comer carne, então um produto originário de carnes não estaria burlando a regra magna da filosofia? Quantos bois terão de fornecer sua carne para encher um potinho de creatina de 150g? Para este público em geral, os interessados em aumentar ganhos de energia, eu recomendaria uma revisão na ingesta de carboidratos cuidando o índice glicêmico dos mesmos e horários de utilização dos mesmos. Para os interessados em aumento de força pode‑se tranquilamente optar por algumas ervas como o Tribulus Terrestris, evitando assim sair dos dogmas do vegetarianismo.

 

Creatina (C4H9N3O2) - A Molécula Condenada - aumento de peso

  1. CREATINA X AUMENTO DE PESO

Sim, creatina aumenta o peso e isto é por alguns estudiosos considerado “efeito colateral”. Você já usou creatina e sentiu que ficou retido, ao invés de maior e mais marcado/fibrado? O protocolo de uso que você utilizou poderia até estar correto, mas a sua HIDRATAÇÃO foi nula! Repito – Creatina é uma molécula hidrofílica, “amiga de água”.

Beber água enquanto cicla creatina é primordial e não se pode pecar nisso! Digamos que o usuário de creatina seja um sujeito extremamente magro e que ganhou alguns quilos extras em aumento de água em seus miócitos e um pouco de gordura advinda da dieta.

Isso seria ruim? Seguindo os padrões impostos pela sociedade, onde a regra diz que você tem de ser um filé de borboleta com uma cintura de vespa e um abdominal de lagartixa, isso seria crime inafiançável!

Agora voltando aos ensinamentos da Old School, ganhar um pouco de gordura seria até certo ponto benéfico. Boas gorduras auxiliam em ótimas taxas lipídicas, melhorando níveis de triglicérides e colesterol.

Opa, colesterol? Ele não possui como núcleo base o MESMO NÚCLEO dos esteroides anabólicos? O ciclo‑peridro‑pentano‑fenantreno? 3 anéis ligados a um anel, o fenantreno formando a base de todo hormônio esteroide produzido endogenamente em nosso organismo traduzindo-se em – Mais gorduras boas, mais esteroides endógenos circulantes = MAIS PESO = MAIS MASSA MAGRA.

Acredito que o ganho de peso com uso de creatina, manipulação correta de macronutrientes na dieta, hidratação adequada e repouso seja uma alternativa segura para os que optam por maneiras seguras de ganho de massa livre dos perigos de drogas anabólicas injetáveis ou orais. Bem hidratado o usuário com certeza sofrerá resposta de ganho de peso em massa magra e não em gordura. Ponto para a creatina!

 

  1. CREATINA = FORMA DE USO

Não citei muitas referências neste artigo devido a ter utilizado eu mesmo e com meus atletas e alunos extensamente tal suplemento. Muito menos citei aqui coisas como ATP, Piruvato + 2H Lactato, Fosforilação Oxidativa, quebra da CP e coisas deste tipo por acreditar que o público que lê a revista não é apenas da área acadêmica e, sim, tem sua maioria representada pelos ogros do bodybuilding, os maiores consumidores e expertises no assunto.

Para o público acadêmico, deixo no final as referências para que eu não tenha meus membros arrancados em alguma máquina de tortura medieval. Temos de nos unir – estudiosos perguntem e estudem o público que mais usa tais tipos de suplementos e não os atletas de finais de semana. Não são os imediatistas que fornecerão dados concretos e confiáveis para nenhum tipo de estudo que envolva qualquer suplemento.

A seguir demonstro uma maneira de usar creatina que venho usando há mais de 10 anos com meus atletas e alunos em minha academia sem ter tido nenhum problema.

Creatina (C4H9N3O2) - A Molécula Condenada - Ciclo

 


Referências:

– www.saopaulo.sp.gov.br/spnoticias/lenoticia.php?id=102622;
– 
O Sul Caderno Reportagem, Porto Alegre, 29 de Abril de 2010. Pág. 1;
– 
Koshy KM, Griswold E and Schneeberger EE. Interstitial nephritis in a patient taking creatine. N Engl J Med 1999; 340: 814-5;
– 
GUALANO, Bruno et al . A suplementação de creatina prejudica a função renal?. Rev Bras Med Esporte, Niterói, v. 14, n. 1, Feb. 2008;
– 
Revai T, Sapi Z, Benedek S, Kovacs A, Kaszas I, Virany M, et al. Severe nephrotic syndrome in a Young man taking anabolic steroid and creatine long term. Orv Hetil 2003; 144:2425-7;
– 
Salzano, Ítalo, Apostila Suplementos Nutricionais: Aplicações Práticas em Esporte, Performance Humana e Extensão da Vida. São Paulo, 1998. Pág. 122-129;
– 
Bacurau, Reury Frank. Nutrição e suplementação esportiva; Guarulhos, SP: Phorte Editora, 2001. pág. 260-266;
– 
Kleiner, Susan M. Nutrição para o Treinamento de Força; Barueri, SP, Editora Manole, 2002. pág. 134-136.